Verdão não tem grande exibição mas vence Goiás fora de casa e fica muito próximo de disputar uma decisão continental, depois de 10 anos

Um passo enorme rumo à decisão e a chance de salvar o ano. Ou melhor, os últimos dois anos. A final da Copa Sulamericana será um presente para o técnico Luiz Felipe Scolari que, apesar das limitações do seu grupo, conseguiu impor aos jogadores a vontade de vestir a camisa do Palmeiras.

Ontem, o Palmeiras venceu o Goiás por 1 a 0 fora de casa, com um golaço de Marcos Assunção, e deu um passo enorme rumo à final da Copa Sulamericana.

O jogo

O Palmeiras começou bem armado. Tinga e Lincoln disparavam com velocidade e tentavam armar alguma jogada para Kleber e Luan. Mas o Goiás começou a abusar das faltas e o jogo, então, começou a ficar muito tempo com a bola parada. De um lado, Carlos Alberto quase foi expulso após cometer faltas sucessivas. Do outro, Gabriel levou amarelo cedo e passou perto de ir para o chuveiro mais cedo.

O Goiás não mostrou jogo e tentava mandar bolas na área. O Palmeiras, com deficiências graves de criação, deixou para Marcos Assunção resolver. Em três oportunidades no primeiro tempo, as três assustou Harlei. Em uma delas, o goleiro goiano soltou a bola na área nos pés de Lincoln, que chutou em cima do zagueiro.

Percebendo as dificuldades, Felipão orientou Luan para cair pelos lados na segunda etapa. Com essa atitude, o Goiás teria que abrir e tentar marcar o atacante, dando espaços no meio.

Na volta do intervalo, sem modificações, o Palmeiras voltou em um ritmo mais lento, apesar de Luan cumprir o que Felipão pediu. Em uma dessas aberturas, Marcos Assunção, logo aos três minutos, caminhou e de muito longe arriscou. Harlei não estava adiantado e o chute foi muito potente. Bola no ângulo para delírio dos palmeirenses no Serra Dourada, que eram maioria no estádio do mandante.

Depois do gol, o Palmeiras começou a jogar com inteligência e tentava armar algum contra-ataque. Mas nada que assustasse o goleiro Harlei. Lincoln não conseguia se desvencilhar do marcador e as bolas não chegavam em momento algum para o atacante Kleber, que passou a buscar jogo, deixando Luan isolado na frente e dificultando ainda mais a finalização do Verdão.

A única oportunidade clara de gol do Goiás foi aos 27. Felipe conseguiu passar pela zaga e entrou na área. O jogador chutou rasteiro e Deola defendeu. Aos 47, após cruzamento na área, os goianos mandaram a bola para a rede mas os dois jogadores que finalizaram estavam em posição ilegal.

O Palmeiras passa para a final na próxima quarta-feira, no Pacaembú, com um empate simples.

Estádio: Serra Dourada, Goiânia (GO)
Data/hora: 17/11/2010 – 22h (de Brasília)
Árbitro: Evandro Rogério Roman (Fifa-BRA)
Auxiliares: Roberto Braatz (Fifa-Bra) e Márcio Santiago (Fifa-BRA)
Renda/público: R$: 274.480,00 / 14.129 pagantes
Cartões amarelos: Douglas e Carlos Alberto (GO); Gabriel Silva e Edinho (PAL)
GOLS: Marcos Assunção, 3’/2ºT (0-1)

PALMEIRAS: Deola, Márcio Araújo, Maurício Ramos, Danilo e Gabriel Silva; Marcos Assunção, Edinho, Tinga (Leandro Amaro, 39’/2ºT) e Lincoln (Pierre, 34’/2ºT); Luan e Kleber. Téc: Luiz Felipe Scolari.

GOIÁS: Harlei, Douglas, Rafael Tolói, Ernando, Marcão e Wellington Saci; Carlos Alberto, Amaral e Marcelo Costa; Felipe (Otacílio Neto, 26’/2ºT) e Rafael Moura. Téc: Artur Neto.

Comentários

comentários