Técnico quer que Arnaldo Tirone, Paulo Nobre e Salvador Hugo Palaia se unam seja lá qual for o vencedor

Fonte: iG Esporte

As eleições ficam cada vez mais perto e os bastidores da política no Palmeiras agitam cada vez mais o clube. Toda essa movimentação acontece justamente no início de temporada, quando o time precisa de mais tranquilidade para começar o ano com o pé direito. Já pensando nisso, Luiz Felipe Scolari pede que os candidatos esqueçam suas diferenças e se unam em torno da instituição, que, segundo ele, é maior do que tudo.

O problema é que o tumulto político já é histórico no Palmeiras. E não foi diferente no início de 2011. Salvador Hugo Palaia não gostou de ver Paulo Nobre fazendo visita à Academia de Futebol na última sexta-feira. Ameaçou fazer escândalo, mas resolveu os problemas aparecendo no treino de sábado. Felipão não gosta da polêmica de política e mostra certa chateação ao ter que comentar o assunto.

“Teve o Paulo Nobre na Academia, mas depois teve o Palaia. E tomara que nesta segunda-feira tenha os três aqui nos assistindo, acompanhando o jogo treino. Os dirigentes tem de vir aqui, pois essa é a casa deles. Não tem essa de briga política. Agora, é o momento de qualquer candidato, seja A, B ou C, assim que eleito, pensar no melhor para o Palmeiras”, disse Felipão.

Tentando impor o espírito de família entre seus jogadores, Felipão dá mostras de que é preciso que a união vá bem além das quatro linhas. Ele diz que não se importa com quem seja eleito, desde que todos pensem em melhorar o Pameiras.

Segundo ele, mesmo o candidato derrotado tem espaço no clube depois das eleições. Cada projeto pode ter a ajuda de um, explica Felipão.

“Todos são bem-vindos. Não só A ou B. Nós somos os escolhidos, trabalhamos para o Palmeiras e somos funcionários. Está na hora de olhar outros clubes que sempre brigam na hora da eleição, mas, depois, se unem em torno de uma coisa só. Se não for assim, vamos continuar errando. Um dos três vai ganhar. Os outros dois podem vir para dentro do clube e esquecer as vaidades, trabalhando no projeto da Arena, com a reforma da sede e outras coisas”, aconselhou, para depois desabafar.

“Essas eleições estão servindo mais para dividir do que para somar. Não temos como ajudar o Palmeiras se o Palmeiras não quer se ajudar. Os candidatos a vice, à presidência e tudo mais precisam se unir em torno do time”, finalizou.

O pleito está marcado para o dia 19 de janeiro. Arnaldo Tirone, da oposição, é o favorito para a vitória, ainda mais com a divisão da situação, que pode escolher entre Salvador Hugo Palaia e Paulo Nobre. O segundo, que tem como hobby pilotar carros de rali, tem ampla vantagem e ocupa a segunda colocação na “boca de urna” do Palmeiras. Há a esperança por parte de Luiz Gonzaga Belluzzo de que seu atual 1º vice-presidente desista e não facilite a vitória do aliado de Mustafá Contursi.

Comentários

comentários