O estilo Felipão, implantado em vários clubes, realmente nunca encheram os olhos dos torcedores com jogadas magníficas, passes exuberantes e golaços invejáveis. O estilo Felipão é simples: reforçar a defesa, integrar a equipe e fazer os jogadores sentirem tesão pela camisa que vestem. E o mais importante: alcançar resultados, independente de como e onde, e qual o meio.

Quão inteligente é dentro de campo, Felipão é fora de campo também. O treinador, muito identificado com nossas cores, nunca sucumbiu pressões. Mesmo pressão de um país inteiro. Antes da Copa de 2002, Romário chorou, implorou, pediu e colocou toda uma nação contra Felipão, clamando por sua convocação. Mas o gaúcho jamais cedeu, e sempre comentou que Romário era um excelente jogador, mas naquele momento não somaria com o grupo. Dito e feito: Felipão montou a “Família Scolari” e acabou levando o pentacampeonato mundial com a seleção brasileira, calando mais de 190 milhões de “treinadores” de araques.

Recentemente, antes de chegar no Palmeiras, Felipão treinou um time do Uzbequistão, onde o meia principal da equipe era Rivaldo. Tempos depois, o treinador desembarcou no Palmeiras e logo em seguida Rivaldo chegou no Mogi Mirim, para ser dirigente e abandonar a carreira de futebol. Por vezes no Twitter, Rivaldo se ofereceu para jogar no Palmeiras e afirmou “sentir saudades” da nossa camisa e do clamor da nossa torcida. O presidente Arnaldo Tirone conversou com Felipão, depois de muitos apelos da torcida. De novo, coerente e direto, Felipão não quis a contratação do meia pentacampeão do mundo. A informação rodou e os desconfiados palestrinos já ameaçavam um leve burburinho contra o treinador, que sucumbiu e gerou dúvidas depois de ser eliminado pelo Goiás, nas semifinais da Copa Sulamericana.

Rivaldo, por força do destino, acabou aceitando convite de vestir a camisa do São Paulo. Como é de praxe, os sãopaulinos não poderiam ficar por baixo e acharam que fizeram uma excelente contratação, tirando Rivaldo do meio dos razonetes negativos do Mogi Mirim. E afinal, meus amigos, o que o nosso querido meia de 1994 fez vestindo aquele trapo? Das vezes que entrou em campo, na segunda etapa, não conseguiu trocar dois, três passes seguidos e com qualidade. E os críticos do Felipão mais uma vez sucumbiram ao mestre….

E finalmente chegamos no caso Adriano. Depois de fazer mais um empregador de palhaço, Adriano deixou o Roma na mão e voltou ao Brasil, visando frequentar um pouco mais seu mocó na favela carioca. O Flamengo, sabendo da sua “qualidade indiscutível”, negou morada. E negou um contrato de risco, sendo, no mínimo, humilhante para um jogador do porte do “Imperador do Pó”. Adriano então se apegou na amizade com Felipão, se oferecendo literalmente para vestir a camisa do Palmeiras. De novo, Tirone conversou com Felipão sobre a possibilidade de contratação, oferecendo um contrato de produtividade. E o que Felipão fez? Negou de novo. Pediu para Tirone ir atrás de um atacante mediano no Brasil e um bom zagueiro para suprir a saída de Danilo. Felipão ainda considerou: “Presidente, você verá o desempenho do Adriano ainda….”.

E adivinhem quem saiu correndo para concretizar mais uma contratação de peso (literalmente)? O Corinthians. Eliminado pelo Tolima da Pré Libertadores (fazendo história no torneio continental), os corintianos assistiram Ronaldo encerrar a carreira, depois de não conseguir nem ao menos disputar jogos decisivos do torneio organizado pela Conmebol. Era óbvio que qualquer refuguinho conhecido acabaria na mira dos alvinegros. E não foi diferente com Adriano: correram e contrataram o jogador, fazendo toda aquela parafernália toda que nós já conhecemos. E a imprensa…bem, a imprensa vocês já sabem….

De novo, Felipão acertou. Por ironia do destino, Adriano chegou seis quilos mais gordo e no primeiro treinamento após fechar contrato, rompeu o tendão de Aquiles. O “Imperador” ficará mais de seis meses afastado e deverá engordar mais algumas gramas até voltar para os gramados. Resumindo: 6 x R$ 200 = R$ 1.200.000,00 de prejuízo para os cofres do inteligente presidente corintiano, que se queimou na sauna enquanto conversava com amigos íntimos, de cueca.

Será que Felipão sabe realmente prever o futuro? Será que Felipão tem realmente poderes sobrenaturais? Ou será, simplesmente, que o atual técnico palmeirense tem um passado invejável e uma bagagem realmente enorme pelos clubes e experiências que passou?

Por isso podemos afirmar categoricamente que a única atitude que realmente valeu a pena do ex-presidente Belluzzo, foi ter negociado fortemente o retorno do nosso eterno mestre. E agora vamos para a disputa dos títulos com coragem e confiança….afinal, temos Felipão no banco.

 

Comentários

comentários