Verdão perde em Campinas de virada e tem série de 15 jogos de invencibilidade quebrada. Nas quartas, Palmeiras enfrentará o Mirassol.

Se existe derrota boa, foi essa de Campinas. Deixando três pontos para trás, o Palmeiras fechou a primeira fase na segunda colocação e vai enfrentar o Mirassol.

Felipão resolveu poupar alguns titulares. Dentre eles, Thiago Heleno, Marcos Assunção Valdívia e Luan. O técnico escalou o time bem ofensivo, pressionando bastante a Ponte Preta no seu estádio. João Vitor e Max Santos apoiavam o meio, enquanto Adriano MJ sufocava o zagueiro pelo lado, deixando Kleber como um verdadeiro centroavante, só esperando a bola. Tinga corria bastante para apoiar a abrir espaços na zaga pontepretana.

A Ponte Preta tinha um lema na partida: bater. Os jogadores pontepretanos distribuiram tanto pontapé, que Felipão disse para o quarto árbitro que iria sacar Kleber, senão a contusão seria bem grave. E mesmo assim, apanhando, Kleber deixava os zagueiros e marcadores loucos. Na primeira etapa, o Palmeiras dominou. Aos 20 minutos, o improvável: Cicinho passou para Max Santos, que dominou e desceu o pé. O chute não foi tão potente assim, mas o goleiro deixou a bola passar por debaixo da perna e tentou ir atrás da bola: era tarde. 1 a 0 Palmeiras.

Cinco minutos depois, Diogo recebeu e girou em cima de Leandro Amaro. Na velocidade, mandou um canudo para o gol, sem chances para Deola: 1 a 1. Com o gol, a Ponte Preta tomou as ações da partida, enquanto o Palmeiras tentava criar, mas sempre parado com faltas desleais.

Na segunda etapa, Felipão sacou Kleber para evitar uma expulsão comprometedora. Vinícius entrou e deixou o jogo bem embolado. Nem Palmeiras e nem Ponte Preta se arriscavam muito. Pelo andar da rodada, o Palmeiras estava para enfrentar o São Caetano, adversário difícil. Rivaldo errava passes demais e Tinga, cansado, largou mão do jogo.

Aos 30, a zaga palmeirense afastou bola alçada em escanteio, e Renatinho emendou um belo chute de fora da área, no canto, sem chances para Deola: 2 a 1 Ponte.

Sabendo que naquele momento o Palmeiras enfrentaria o Mirassol, Felipão orientou os jogadores para pisarem no freio. O empate colocaria o Verdão de novo na ponta, enfrentando, agora, a Portuguesa, que fez gol no Canindé. Final: Palmeiras e Mirassol, Corinthians e Oeste e São e Portuguesa. Dos grandes, o Palmeiras pegou o jogo mais fácil e deve passar do Mirassol sem maiores dificuldades. Passando, o Verdão enfrenta o vencedor de Oeste e Corinthians.

Na quinta-feira, feriado, o Palmeiras enfrenta o Santo André pela Copa do Brasil, jogo de volta das oitavas de final. Na primeira partida, 2 a 1 Verdão. Podemos até perder de 1 a 0 que estamos classificados. Por ser feriado, a expectativa é Pacaembú abarrotado de palestrinos.

FICHA TÉCNICA
PONTE PRETA 2 X 1 PALMEIRAS

Local: Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas (SP)
Data: 17 de abril de 2011, domingo
Horário: 16h (de Brasília)
Árbitro: Salvio Spinola Fagundes Filho (SP)
Assistentes: Emerson Augusto de Carvalho e Anderson José de Moraes Coelho (ambos de SP)
Assistentes adicionais: Paulo Roberto de Sousa Júnior e Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza (ambos de SP)
Renda: R$ 223.156,00
Público: 9.956 espectadores
Cartões amarelos: Eduardo Arroz, Josimar e Tiago Luís (Ponte Preta); Luan, Rivaldo e Chico (Palmeiras)
Gols:
PONTE PRETA: Márcio Diogo, aos 25 minutos do primeiro tempo; Renatinho, aos 30 minutos do segundo tempo.
PALMEIRAS: Max Santos, aos 21 minutos do primeiro tempo

PONTE PRETA: Bruno; Eduardo Arroz, Wellington, Ferron e Uendel; Guilherme, Josimar, Lucas (Renan) e Marcio Diogo (Charles); Renatinho (Mateus) e Tiago Luis
Técnico: Gilson Kleina

PALMEIRAS: Deola; Cicinho (Luis Felipe), Maurício Ramos, Leandro Amaro e Rivaldo; João Vitor, Chico, Tinga e Max Santos (Luan); Kleber (Vinícius) e Adriano Michael Jackson
Técnico: Luiz Felipe Scolari.

 

 

Comentários

comentários