Verdão faz a melhor partida do ano, controla as ofensivas do time santista e com golaço de Kleber, vence fora de casa e consolida liderança.

O Palmeiras fez a melhor partida do ano. Não deixou o ataque do Santos produzir e em contra partida conseguiu fazer um golaço, levando três pontos para casa e se consolidando na liderança.

Os primeiros 20 minutos de jogo foram de total controle do time da casa. Elano, Neymar e Ganso triangularam bastante, mas sem objetividade. Nesses 20 minutos, o Santos teve uma única chance clara de gol: bola na área na cabeça de Ganso, que pulou, cabeceou para o chão mas errou o alvo.

Logo em seguinda, Assunção resolveu arriscar de fora da área e acertou o bico do ângulo, lado esquerdo do goleiro. Se a bola tivesse caído mais um pouquinho, teria sido um golaço na Vila.

O técnico do Palmeiras, Luiz Felipe Scolari, corrigiu um erro crasso que cometeu na escalação. Sabendo da ofensividade do Santos, colocou Adriano MJ para iniciar a partida. Mas aos 35 ainda do primeiro tempo, Felipão colocou Luan no lugar de Adriano. O Palmeiras teve uma boa melhora em campo, já que Luan é outro brigador. Mas nada que deixasse o Palmeiras em franca vantagem.

No intervalo, Felipão arrumou o posicionamento da equipe e o Palmeiras voltou melhor. O Santos começou a segunda etapa tentando tomar as rédeas da situação de novo. Novamente, a triangulação entre Ganso, Neymar e Elano se mostrava perigosa. Porém todas as ações da equipe praieira eram finalizadas ante a zaga palestrina.

Neymar, perto dos 15 do segundo tempo, passou o pé na bola umas sete vezes e driblou Patrick. O lance, sem objetividade, só serviu para levantar a torcida, que aumentou  pressão para cima do Palmeiras. Mesmo assim, a equipe se mostrava tranquila e continuava anulando todas as ações do Santos. Na única vez que escapou, Danilo mandou por cima de Deola. Mas, claramente, estava avançado, indicando impedimento.

No lance seguinte, Assunção manda para área e Thiago Heleno acerta paras as redes. O juiz também assinalou impedimento claro.

Felipão resolveu sacar Lincoln e colocar o volante João Vitor. O garoto deu mais disposição tática para Luan e Kleber, que começaram a receber mais bolas e criar mais chances, mesmo que remotas.

Elano e Ganso praticamente apagaram em campo. O cansaço físico era bem aparente, enquanto Neymar procurava cada vez mais o jogo. Porém, o atacante santista estava acompanhado de Cicinho, que não largou o jogador um minuto sequer. Na rabeira, Danilo procurava anular os espaços deixados pelo lateral palmeirense.

Logo depois, Kleber recebeu bola e reclamou do posicionamento dos colegas. Passou para Patrick e avançou. Patrick driblou Adriano e viu o Gladiador passar entre os zagueiros. Em lance de futebol de salão, Patrick mandou uma cavadinha no meio dos dois zagueiros. Sozinho, Kleber viu a bola pelo alto e mandou ver, por cima do goleiro santista. Um golaço palmeirense na Vila.

Depois do gol, muito comemorado pelo treinador palmeirense, sacou Cicinho e mandou Chico para anular de vez as ações do Santos. E foi assim que o Palmeiras prosseguiu com uma sequência de resultados positivos no Paulistão. Contra o Santos, já são seis jogos sem perder. Quatro vitórias e dois empates. E grande parte das vitórias foram conquistadas no estádio santista.

FICHA TÉCNICA
SANTOS 0 X 1 PALMEIRAS

Local: Estádio Vila Belmiro, em Santos (SP)
Data: 3 de abril de 2011, domingo
Horário: 16 horas (horário de Brasília)
Árbitro: Vinicius Furlan
Assistentes: Giulliano Neri Colisse e Fábio Rogerio Baesteiro
Assistentes adicionais: Luiz Flavio de Oliveira e Raphael Claus
Cartões amarelos: Elano, Neymar, Adriano e Durval (Santos); Danilo, Rivaldo, Patrik, Cicinho e Kleber (Palmeiras)
Gols: PALMEIRAS: Kleber, aos 33 minutos do segundo tempo

Público: 10.719
Renda: R$ 447.102,82

SANTOS: Rafael; Pará (Felipe Anderson), Durval, Edu Dracena e Léo; Adriano, Danilo, Elano e Paulo Henrique Ganso; Neymar e Zé Eduardo (Keirrison)
Técnico: Marcelo Martelotte

PALMEIRAS: Deola; Cicinho (Chico), Danilo, Thiago Heleno e Rivaldo; Márcio Araújo, Marcos Assunção, Patrik e Lincoln (João Vítor); Adriano (Luan) e Kleber
Técnico: Luiz Felipe Scolari

Comentários

comentários