Verdão vence Atlético-MG no Canindé e dá mais um passo rumo ao título. Palmeiras se firmou no G4.

Sem Márcio Araújo e Kleber, o Palmeiras teve claras dificuldades para fazer o jogo “andar”. João Vitor e Dinei foram os substitutos e não fizeram boa partida. Com a entrada de Luan no time, Maikon Leite ficou mais solto, flutuante, e conseguia distribuir bons passes.

Dorival Júnior, técnico do Atlético, escalou Lima como terceiro zagueiro, dificultando ainda mais o setor de criação, que teve em Valdívia a referência. E o chileno só deu algumas mostras de bom futebol. Nada vistoso.

Foram dois gols seguidos: Dinei sofreu falta na lateral esquerda. Assunção bateu com força e encobriu o goleiro. Um golaço, mesmo que sem querer. No lance seguinte, Luan se atrapalhou e deu ataque aos mineiros. Magno Alves girou em cima de Cicinho. A bola acabou batendo em Maurício Ramos e bateu Deola do lance, que nada pôde fazer para impedir o empate.

Com o gol, o Palmeiras aumentou nitidamente a pressão contra os mineiros. Jogando melhor, o Verdão perdia lances de finalização com Maikon Leite, que escorregou bastante. O atacante palmeirense entrou co chuteiras de cravo menor, deslizando no campo molhado.

Para o segundo tempo, nada de mudanças, para nenhum lado. Porém o Verdão veio bastante disposto à vencer. E em boa jogada de Assunção, a zaga mineira afastou mal e Luan pegou de bate-pronto. Sem chances, um golaço! 2 a 1 Palmeiras.

Logo após o gol, Felipão decidiu fazer a primeira alteração: saiu Maikon e entrou Patrick. O atacante não estava mal na partida, mas não estava aproveitando os espaços cedidos pelo Atlético, na direita.

O técnico do Atlético fez três substituições para tentar acordar a equipe: saíram Serginho, Obina e Magno Alves. Entraram Wesley, André e Neto Berola, respectivamente.

Com um time descansado e ofensivo, o adversário construia lances de perigo. Mas foi o Verdão que mandou para as redes: belo passe de Gerley para Luan, que cruzou. Valdívia esbarrou com zagueiro e a bola espirrou, sobrando para Patrick, que deu um leve toque na bola e o suficiente para estufar as redes mineiras: 3 a 1 Palestra!

No lance seguinte, Neto Berola recuperou bola perdida na linha de fundo. Assim que bateu na bola, sacou Gerley da jogada. Quicando, ficou fácil mandar a bola na cabeça de Wesley, que só escorou, diminuindo o placar. 3 a 2.

Naquela altura, o jogo se mostrava “a la Felipão”, quem nem no banco estava mais após ter sido expulso por Sandro Meira Ricci. O técnico palmeirense discutiu rispidamente com o auxiliar e acabou tomando banho mais cedo.

O Atlético formou certa pressão, mas o Palmeiras jogou com maturidade e impediu o empate alvinegro. Com a vitória, o Palestra atingiu 25 pontos e contou com bons resultados na rodada, como a derrota do São Paulo para o Vasco e do Corinthians para o Avaí, 2 a 0 e 3 a 2, respectivamente.

FICHA TÉCNICA
PALMEIRAS 3 X 2 ATLÉTICO-MG

Local: Estádio do Canindé, em São Paulo (SP)
Data: 30 de julho de 2011, sábado
Horário: 21 horas (de Brasília)
Renda: R$ 259.500,00
Público: 9.983 espectadores
Árbitro: Sandro Meira Ricci (Fifa-DF)
Assistentes: Roberto Braatz (Fifa-PR) e Fábio Pereira (TO)
Cartões amarelos: João Vitor (Palmeiras); Serginho (Atlético-MG)
Gols:
PALMEIRAS: Marcos Assunção, aos 15 minutos do primeiro tempo; Luan, aos 16, Patrik, aos 33 minutos do segundo tempo.
ATLÉTICO-MG: Magno Alves, aos 16 minutos do primeiro tempo; Wesley, aos 34 minutos do segundo tempo.

PALMEIRAS: Deola; Cicinho, Thiago Heleno, Maurício Ramos e Gerley; Marcos Assunção, João Vitor e Valdivia; Maikon Leite (Patrik), Dinei e Luan 
Técnico:  Luiz Felipe Scolari

ATLÉTICO-MG: Giovanni; Werley, Réver e Leonardo Silva; Patric, Richarlyson, Serginho (Wesley), Caio e Erlon; Magno Alves (André) e Jônatas Obina (Neto Berola)
Técnico: Dorival Júnior

Comentários

comentários