Verdão joga com muita raça, consegue excelente resultado e fica próximo da semifinal.

O Palmeiras empatou fora de casa contra o Atlético-PR, em 2 a 2, pelo primeiro confronto das quartas-de-final. O resultado é considerado muito bom por duas situações: primeiro porque o Palmeiras ficou atrás do placar duas vezes e, segundo, porque no jogo de volta o Verdão precisa apenas de um empate em 0 a 0 ou 1 a 1 para se classificar. Os dois gols marcados fora de casa podem ser determinantes para levar o time às semifinais da competição.

O jogo

A partida começou com um grande vazio no meio campo. O time da casa, com três atacantes declarados, deixou o espaço para o Palmeiras trabalhar. Mas os três homens de frente do Palmeiras não souberam aproveitar o espaço. Valdívia, Barcos e Mazinho tentavam de todas as formas chegar, mas não conseguiram. O Atlético, então, começou a ser mais perigoso nas suas ações.

O Atlético abriu o placar depois de um imenso erro de João Vitor. Bola na área, o jogador palmeirense não viu Renan Foguinho aparecer nas costas. Foguinho cabeceou para o meio, Bruno saiu mal do gol e Bruno Mineiro mandou de cabeça, para as redes. 1 a 0.

Na sequência, o time da casa quase chegou ao segundo gol. Ligüera invadiu pela esquerda e cruzou. Maurício Ramos apareceu e recebeu a bola no abdôme, e na sequência resvalou no braço. Como estava de costas para o juiz, o pênalti não foi assinalado.

Dois minutos depois, Barcos empatou para o Palmeiras. Valdívia deu belíssimo passe para o argentino que, no meio de dois zagueiros, se livrou de um deles e sacou o goleiro da jogada, batendo “estilo Evair” no canto esquerdo, sem chances. 1 a 1.

No lance seguinte, o time da casa ampliou: Guerrón recebeu passe em total situação de impedimento, entrou na área e bateu. Bruno defendeu parcial e Edigar empurrou para as redes. Gol ilegal do Atlético no Durival de Britto: 2 a 1.

O Palmeiras teve três chances seguidas com Marcos Assunção, de bola parada. Mas não teve sucesso na finalização.

O Atlético tentava algumas chances e quase conseguiu ampliar com Ligüera. Nos últimos lances da primeira etapa, Assunção mandou bola no travessão, assustando o adversário.

Felipão melhorou o posicionamento da equipe, trazendo Valdívia um pouco mais para o meio e permitindo que Mazinho avançasse mais pelas laterais. Com isso, o Verdão dominou o meio campo e propôs ao adversário que jogasse apenas nos contra golpes. E o time paulista dominou as ações no meio.

Logo no início, Barcos arriscou e acertou o travessão. Valdívia dominou bola pela lateral e acabou sendo atingido por um tapa no pescoço, desferido pelo técnico paranaense. Carrasco foi expulso e Valdívia levou amarelo. Na sequência, Barcos foi “amarelado” e está fora do confronto da próxima quarta-feira.

Vendo a oportunidade de empatar ou até mesmo virar, Felipão mandou Luan e Maikon Leite para o jogo, tirando Cicinho e Mazinho, respectivamente. João Vitor foi para a lateral-direita, e o time efetivamente melhorou bastante. Tanto que saiu o empate: Barcos passou para Leite que cortou o zagueiro, adiantou um pouco a bola e mandou no ângulo, fazendo um golaço na Vila Capanema: 2 a 2.

Guerrón recebeu a bola, passou por Juninho e chutou forte, rasteiro. A bola “lambeu” a trave e saiu pela linha de fundo.

O Palmeiras, então, conseguiu contornar a situação e segurar o adversário, não permitindo mais ataques fortes. Com isso, as chances palmeirenses cresceram. A principal delas, com Luan, foi bisonha: o atacante recebeu com velocidade e chutou fraquíssimo nas mãos de Rhodolfo. Até o fim, o Palmeiras foi melhor, mas o empate foi sacrificado pelo juiz! Fim de jogo e empate no Paraná.

O juiz deixou de assinalar dois pênaltis à favor do Palmeiras e não anulou o gol irregular marcado por Guerrón. Se o resultado fosse “correto”, vitória palmeirense de goleada e o segundo jogo seria uma espécie de treino. Mas, com o empate em 2 a 2, o Palmeiras precisa ter psicológico e entender que existem todas as condições de passar, mas que, primeiro, precisa fazer o resultado dentro de casa, para sua torcida.

O próximo confronto palmeirense acontece sábado, na estreia do Brasileiro 2012, contra a Portuguesa, no Pacaembú. Na próxima quarta-feira, o Verdão enfrenta novamente o Atlético pelo segundo jogo das quartas-de-final da Copa do Brasil 2012.

Frases

“O gol foi importante para a minha confiança e para a dos meus companheiros também,” disse Barcos, após balançar a rede diante do Atlético-PR.

“O resultado foi muito importante para nós. Poderíamos ter vencido, mas o importante é que empatamos com gols,” completou o argentino.

“Viemos respeitando muito o adversário, mas queríamos ganhar. Lutamos, trabalhamos para vencer. Empatamos com um time muito difícil, o campo não ajudou muito a ter qualidade melhor, mas foi importante não perder,” afirmou o chileno Valdívia.

FICHA TÉCNICA

ATLÉTICO-PR 2  x 2 PALMEIRAS

Local: Durival de Britto, Curitiba (PR)
Data/Hora: 16/5/2012 – 19h30
Árbitro: Paulo Henrique Godoy Bezerra (SC)
Assistentes: Márcio E. Santiago (MG) e Ângelo Rudimar Bechi (SC)

Cartões Amarelos: Cleberson e Deivid (CAP); Cicinho, Valdivia e Barcos (PAL)
Cartões Vermelhos:
Público/renda: 7.307 pagantes / R$ 166.230,00
GOLS: Bruno Mineiro, 16’/1ºT (1-0); Barcos, 21’/1ºT (1-1); Edigar Junio, 22’/1ºT (2-1); Maikon Leite, 14’/2ºT (2-2)

ATLÉTICO-PR: Rodolfo, Cleberson (Pablo – intervalo), Manoel, Renan Foguinho e Zezinho; Deivid, Alan Bahia e Ligüera; Bruno Mineiro, Guerrón (Ricardinho – 23’/2ºT) e Edigar Junio. Técnico: Juan Carrasco.

PALMEIRAS: Bruno, Cicinho (Luan – 11’/2ºT), Leandro Amaro, Maurício Ramos (Román – 37’/2ºT) e Juninho; Márcio Araújo, Marcos Assunção, João Vítor e Valdivia; Mazinho (Maikon Leite – 11’/2ºT) e Barcos. Técnico: Luiz Felipe Scolari.

Comentários

comentários