Gareca em entrevista coletiva no Palmeiras.
Gareca em entrevista coletiva no Palmeiras.

Excluídos os jogos sob comando da comissão estrangeira, equipe alviverde teria aproveitamento de quase 53%, o que a colocaria na cola do G-4 do Brasileirão.



Após demitir o técnico Gilson Kleina depois da derrota para o Sampaio Corrêa, pela Copa do Brasil, em maio, a diretoria palmeirense trabalhou com calma na busca por um novo treinador. Deixou o time na mão do interino Alberto Valentim enquanto entrevistava candidatos ao cargo. Nesse processo, escolheu um nome novo: Ricardo Gareca, argentino, com passagem notável pelo Vélez Sarsfield. Uma aposta elogiada, mas que se revelou de alto preço – pelo qual o clube ainda não se livrou de pagar, até, com novo rebaixamento.

A péssima campanha do time sob o comando de Gareca no Brasileiro deixou uma pesada herança para o sucessor, Dorival Júnior, que recebeu a equipe seriamente ameaçada pela degola. Em nove partidas sob direção estrangeira, o Palmeiras conquistou míseros quatro pontos – aproveitamento de 14,8% que derrubou a equipe da 13ª posição para a 16ª, com uma passagem pela lanterna na 16ª rodada.

O lamento alviverde com os números do argentino aumenta ao compará-los aos dos outros treinadores que sentaram no banco do time neste torneio. Excluídos os jogos de Gareca, o Palmeiras conquistou 52,6% dos pontos disputados, o que o colocaria hoje na sétima colocação, patamar bem mais confortável do que o atual – 12º, com 34 pontos, quatro acima do Bahia, o 17º e primeiro do Z-4.

Kleina fez só três jogos no Nacional antes de cair: venceu um e perdeu os outros dois. Com o interino Valentim, melhora considerável com três triunfos e um empate em seis partidas. Dorival agora comanda uma reação, apesar do histórico tropeço na goleada de 6 a 0 sofrida para o Goiás. O atual comandante, após a vitória sobre o Grêmio, no último sábado, no Pacaembu, por 2 a 1, alcançou aproveitamento de 56,6%, melhor que os dos outros colegas até aqui.

Apontado como um dos responsáveis por essa sequência de três vitórias consecutivas (o time já tinha batido Chapecoense e Botafogo antes), o meia Valdivia elogiou o comprometimento do elenco alviverde.

– Fomos muito bem mesmo, mostramos para quem não acredita nesse grupo que só dependemos de nós mesmos – afirmou o camisa 10, que assumiu a faixa de capitão com a chegada da Dorival Júnior.

O técnico sinalizou que o resultado sobre os gaúchos pode ser marcante nessa virada palmeirense no campeonato, mas insistiu que é cedo para ignorar a ameaça do rebaixamento.

– Temos de nos lembrar sempre que 15 dias atrás estávamos em uma posição totalmente inversa. Muito desacreditados, sem confiança, criticados em todos os momentos. E agora começamos a esboçar uma reação. Não há motivo nenhum para nos exaltarmos – disse.

O goleiro Fernando Prass concordou com o raciocínio do chefe.

– Não podemos respirar, o que faz nosso time forte é isso. Não abaixamos a guarda, estamos sempre em pé.

O Palmeiras agora terá toda a semana para descansar e se preparar para o clássico contra o Santos, no próximo domingo, dia 19, outra vez no Pacaembu. Foi justamente no duelo com o rival praiano do primeiro turno que Gareca estreou. Desde então, o ônus de sua passagem pelo clube não se dissipou – e provavelmente será assim até o fim deste tenso ano de centenário alviverde.

nobre_sorrindo

Fonte: Globo Esporte.com

Comentários

comentários