Foi uma noite sem grandes emoções e de poucas novidades no Moisés Lucarelli: em jogo que não altera o rumo das equipes no Paulistão, a Ponte Preta voltou a ser uma pedra no sapato do Palmeiras e venceu por 1 a 0. O gol foi de William Pottker, o quarto dele diante desse rival – fez dois pelo Linense e um pela própria Macaca no ano passado – e o sétimo no torneio – é um dos artilheiros.

O Palmeiras continua tendo a melhor campanha do Estadual, mas agora com apenas um ponto a mais que o Corinthians (25 a 24). A pontuação continuará contando nas quartas de final e definirá a ordem dos mandos das fases seguintes.

O Verdão, primeiro do Grupo C, pegará o Novorizontino nos próximos dois fins de semana, decidindo em casa. Vitor Hugo, que recebeu o terceiro amarelo, e Zé Roberto, expulso, serão desfalques. A Ponte, vice-líder do Grupo D, pega o Santos, decidindo fora.

O Palmeiras não vence a Ponte Preta desde julho de 2015, quando fez 2 a 0 na Arena Pantanal, pelo Brasileirão. Desde então, são três vitórias da equipe campineira e dois empates.

Dudu, que marcou os dois gols do último triunfo verde neste duelo, era uma das atrações da partida pela última rodada da primeira fase do Paulistão: 24 horas após assistir do banco à vitória da Seleção Brasileira sobre o Paraguai, pelas Eliminatórias, o camisa 7 foi titular para não perder ritmo de jogo, afinal os mata-matas começam no fim de semana.

Ele bem que tentou, foi o atleta mais interessado do Palmeiras no primeiro tempo, mas sofreu com a falta de inspiração dos companheiros. Erik, que vinha esquecido e foi utilizado por Eduardo Baptista pela terceira vez seguida, foi muito mal. O único lance que levantou o torcedor foi protagonizado por Raphael Veiga, que acertou o travessão em uma bomba de fora da área.

O jogo ganhou emoção no segundo tempo, sobretudo quando Keno substituiu Erik, aos 13 minutos. O próprio Keno obrigou Aranha a fazer uma boa defesa, pouco antes de Dudu exagerar na força ao fazer um cruzamento que poderia deixar Willian diante do gol aberto.

O Palmeiras parecia mais perto da vitória quando Pottker deixou Zé Roberto na saudade em arrancada pela direita e foi derrubado na área. Pênalti, expulsão do veterano (que já tinha cartão amarelo) e gol do próprio Pottker na cobrança, aos 29.

O empate ficou bem perto já nos acréscimos, em uma linda jogada de Keno, e Róger Guedes, com finalização do estreante Hyoran, que entrou no segundo tempo. Aranha fez grande defesa.

Comentários

comentários