Palmeiras encaminha reforço para 2019 e repete tática de frustrar rivais

Conversa por atacante do Ceará consolida procura por oportunidades de mercado e monitoramento de buscas dos rivais.

0
3520


O Palmeiras encaminhou nos últimos dias a chegada do primeiro reforço para 2019. O atacante Arthur Cabral, de 20 anos, é destaque do Ceará e deve ser contratado em uma transferência de R$ 5 milhões após a diretoria alviverde vencer a concorrência com outras equipes. Atento a oportunidades e preocupado em não deixar rivais se reforçarem, o clube tem conseguido frustrar negociações alheias.

Arthur Cabral, por exemplo, foi especulado em clubes como Corinthians e Atlético-MG. O Palmeiras soube disso e procurou apresentar condições mais atrativas para convencer o reforço. O atacante deve selar acordo para se apresentar ao time alviverde apenas em janeiro e retornar para o local onde atuou em 2015, emprestado para as categorias de base.

A mesma estratégia de se antecipar e não deixar os concorrentes se reforçarem ficou evidente no ano passado. O zagueiro Emerson Santos já estava no fim de contrato com o Botafogo e chegou a visitar o CT do Corinthians para negociar o acordo para se apresentar em 2018. O Palmeiras conseguiu agir mais rápido, apresentou condições melhores e trouxe o defensor, que atuou por apenas alguns minutos nesta temporada.

A rivalidade com o Corinthians por reforços também pontuou a conversa com o meia Zé Rafael. O jogador do Bahia se destacou no Campeonato Brasileiro do ano passado e fez o então presidente do clube alvinegro, Roberto de Andrade, manifestar publicamente interesse pelo meia. Tempo depois, o Palmeiras costurou nos bastidores um acordo de preferência por Zé Rafael e atrapalhou o rival.

Por dois anos, o Palmeiras tem que ser consultado caso o meia receba qualquer proposta. O clube alviverde não tem, no entanto, a obrigação de efetivar a contratação. Essa condição foi estabelecida como contrapartida pelo empréstimo de uma temporada do meia Allione ao Bahia.

Em janeiro deste ano a diretoria do Palmeiras teve expediente parecido na longa negociação com Gustavo Scarpa. O meia havia conseguido na Justiça a rescisão com o Fluminense e interessava principalmente a São Paulo e Corinthians. Discretamente, o diretor de futebol alviverde Alexandre Mattos manteve a negociação e conseguiu fechar com o reforço.

O Palmeiras via Scarpa mais como oportunidade de mercado do que uma necessidade urgente. Após trazer Lucas Lima para o setor, o clube se empenhou na vinda do meia e lhe ofereceu um contrato de cinco temporadas. Entre os fatores, também pesou a vontade de não deixar os rivais se reforçarem.

Comentários

comentários