O Tribunal de Justiça Desportiva, mais uma vez, está atrasando a vida do Palmeiras. Depois de não querer julgar o processo de interferência externa na final do Paulista com rigor, agora atrasa a publicação do acórdão da decisão.

A diretoria jurídica do Verdão precisa disso para poder dar andamento no Superior Tribunal de Justiça Desportiva. Maurício Galiotte, presidente do clube, garantiu que irá até o fim no caso.

“O Palmeiras sempre deixou claro que o TJD não possuía interesse em examinar o caso e efetivamente verificar se houve interferência externa em razão da sua relação com a FPF. Demorar mais de um mês para publicar o acórdão de uma da decisão foge a qualquer razoabilidade. Essa demora é uma afronta e viola a própria Constituição Federal, que estabelece o prazo máximo de 60 dias para que a Justiça Desportiva julgue em caráter final os casos sob sua tutela”, disse o diretor jurídico Alexandre Zanotta ao site UOL Esporte.

Os dirigentes da Federação Paulista de Futebol foram procurados, mas não deram retorno.

Comentários

comentários