TJD-SP mantém final entre Palmeiras e Corinthians em aberto

Após reclamação alviverde, TJD-SP decide instaurar inquérito: ‘Vamos aguardar a investigação para ter uma posição’, afirma presidente do órgão.

0
2624


Até o próximo dia 23, pelo menos, ninguém poderá discutir: o Corinthians é o campeão paulista de 2018. No entanto, em caso no qual vem mais confundindo do que esclarecendo, o TJD-SP (Tribunal de Justiça Desportiva de São Paulo) deu a entender que o resultado do dérbi do último domingo ainda é passível de alteração, a depender do que a investigação interna apontar até o julgamento.

De acordo com o presidente do órgão, Antonio Assunção de Olim, logo após o Palmeiras ter solicitado na terça-feira à noite instauração de inquérito para apurar suspeitas de interferência externa na partida que decretou o título estadual a favor do rival, o caso foi passado para as mãos do procurador-geral do TJD-SP, Wilson Marqueti Júnior, e da procuradora Priscila Carneiro de Oliveira. Serão eles, com auxílio de cinco membros da 3ª. Comissão Disciplinar , que analisarão os fatos e decidirão pela apresentação ou não de denúncia.

O clube alviverde alega que a arbitragem sofreu influência de gente externa ao campo ao mudar o entendimento na marcação de um pênalti. Após assinalar a suposta falta do corintiano Ralf em Dudu, o árbitro Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza voltou atrás sete minutos depois, tempo no qual teria recebido, de acordo com o entendimento palmeirense, auxílio de Dionísio Roberto Domingos.

Dionísio é o chefe do Departamento de Arbitragem da FPF (Federação Paulista de Futebol) e estava do lado de fora do campo. O clube divulgou na terça imagens com as quais procura provar a comunicação entre ele e um dos árbitros assistentes da partida, algo proibido. Pouco depois, veio a decisão final da arbitragem apontando escanteio em vez do pênalti.

Em nota oficial divulgada nesta quarta à tarde, a FPF negou veementemente esta tese.

“As imagens veiculadas pelo site da Sociedade Esportiva Palmeiras não provam nenhuma interferência externa na decisão dos árbitros, de voltar atrás na marcação de um pênalti inexistente”, diz trecho da nota. Ainda de acordo com a Federação Paulista, Dionísio “não teve qualquer influência na decisão da equipe de arbitragem”.

PRAZO
Apesar de ter aberto inquérito para apurar o ocorrido, o presidente do TJD sinalizou que o Palmeiras teria perdido o prazo para cumprir todas as exigências previstas no CBJD (Código Brasileiro de Justiça Desportiva) para pedidos de impugnação de resultados. Citou o artigo 84 ao afirmar que o clube não depositou, por exemplo, o valor de uma taxa à própria FPF obrigatória para dar sequência ao procedimento. Em nota, o Palmeiras alega ter pedido apenas a instauração do inquérito, fase em que o pagamento da taxa não é necessário. E que, posteriormente, “terá a prerrogativa ou não de requerer a impugnação”.

Questionado pela reportagem do Estado se o resultado da finalíssima do Campeonato Paulista poderia sofrer alteração diante do imbróglio, Antonio Olim respondeu: “Vamos aguardar a investigação. Aí teremos uma posição”.

Ainda em contato com a reportagem, o presidente do TJD-SP não especificou quem exatamente será chamado a depor, mas citou “todos da arbitragem”, além de Dionísio Roberto Domingos e do delegado da partida, Agnaldo Vieira. Também informou que, a princípio, ninguém do Corinthians precisará ir à sessão para prestar depoimento.

Por fim, Antonio Olim informou que, mesmo em caso de eventual decisão desfavorável ao Palmeiras no julgamento do dia 23, o clube poderá recorrer ao Pleno do próprio tribunal e, em última instância, ao STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva).

PARA LEMBRAR…
Pedir para o tribunal analisar suspeita de interferência externa na arbitragem de um jogo seu não chega a ser novidade para o Palmeiras.

Em 2012, o clube pediu a anulação da derrota por 2 a 1 para o Internacional, pelo Campeonato Brasileiro, ao argumentar que o delegado da partida utilizou ajuda eletrônica externa para informar que o atacante Barcos havia feito o gol com a mão – a arbitragem não viu a irregularidade e só voltou atrás após seis minutos de muita confusão no Beira-Rio. Na época, uma repórter de rádio informou que o delegado havia perguntado a ela sobre o lance.

O STJD acatou o protesto e pediu que a CBF suspendesse a vitória do Inter até que o caso fosse julgado. O campeonato ficou com um asterisco na tabela até o tribunal negar posteriormente o pedido palmeirense, que ainda acabou rebaixado à Série B.

ANALISARÃO O CASO

Procuradores

Wilson Marqueti Júnior

Priscila Carneiro de Oliveira

3ª Comissão Disciplinar

Fernando Alberto Ciarlariello

Marcelo Augusto G. Monteiro

João Batista Ferreira Filho

Luiz Augusto Filizzola D’Urso

Candido Alvarenga Júnior

Árbitro

Marcelo Aparecido R. de Souza

Assistentes

Anderson Jose Moraes Coelho Daniel Paulo Ziolli

Quarto árbitro

Adriano de Assis Miranda

Árbitro assist. adicional

Alberto Poletto Masseira

Delegado

Agnaldo Vieira

Tutor de arbitragem

Dionísio Roberto Domingos

Comentários

comentários