Mustafá, em evento no interior de SP.
Mustafá, em evento no interior de SP.

Inimigos políticos históricos, Mustafá e Belluzzo discutem agora no Judiciário

A Justiça deu neste mês de fevereiro ganho de causa a Luiz Gonzaga Belluzzo em ação movida por Mustafá Contursi na 29ª Vara Cível de São Paulo, em entrevero noticiado pela ESPN em agosto do ano passado.

LEIA MAIS:
Verdão monta cadastro de torcedores para ter mais receitas
Cuca deve sacar jogador da equipe
Verdão fica próximo de anunciar novo técnico
COMPRE AGORA! Camisas do Palmeiras com desconto diretamente da loja oficial. Confira
Que tal trabalhar com futebol e ganhar mais de R$ 2.000,00 por mês? É possível. Clique aqui

Inimigos políticos históricos no Palmeiras, os ex-presidentes Mustafá Contursi e Luiz Gonzaga brigam nos tribunais desde abril do ano passado, quando o primeiro decidiu pedir uma indenização por danos morais ao segundo, avaliada em R$ 35 mil.

Mustafá queria ser indenizado por entrevista de Belluzzo à coluna De Prima, do Lance, quando o economista rebateu acusação que apontou déficit no programa de sócios-torcedores Avanti na faixa de R$ 1,3 milhão ao fim de seu mandato, entre 2009 e 2010. Em sua defesa, o Luiz Gonzaga disse que “o Mustafá nem sabe fazer conta”. E, conforme consta na publicação, acrescentou: “Sou reconhecido mundo afora enquanto ele é um lixo”.

Só que, na realidade, o economista não disse “lixo”, e sim “mixo”. E enviou um e-mail ao jornal no mesmo dia explicando que foi um mal-entendido durante o telefonema com o repórter responsável. Assim, no dia seguinte, o Lance publicou uma errata. Mas Mustafá se irritou mesmo assim e decidiu processar o desafeto.

A juíza Laura de Mattos Almeida julgou o pedido de Contursi improcedente com base nas seguintes afirmações: “Verifica-se claramente que Belluzzo estava se defendendo da acusação do autor de ter deixado o programa de sócios-torcedores Avanti com um déficit de R$ 1,3 milhão ao fim de seu mandato. Não houve por parte do réu (Belluzzo) intenção deliberada e despropositada de ofender ao autor (Mustafá), mas sim de rebater a acusação a respeito de sua atuação profissional como presidente do Palmeiras”.

“No caso, além de não ter havido intenção de ofender, não se pode dizer que as afirmações do réu geraram lesão grave à honra, imagem e integridade psicológica do autor, tratando-se de mera troca de críticas entre dirigentes de futebol”, continuou a decisão da magistrada.

A juíza ainda destacou que Belluzzo não chamou Mustafá de “lixo”, com base no e-mail enviado pelo ex-presidente ao jornal no mesmo dia, e também diante da errata feita pela publicação. Contursi já decidiu recorrer em segunda instância.

Fonte: ESPN