Palmeiras tem interesse em Richarlison, do Flu, e Joelinton, ex-Sport

Má fase do ataque faz diretoria acelerar busca por um novo atacante. Perfil procurado por Cuca é de um jogador que possa atuar como centroavante e pelos lados do campo.

A derrota por 1 a 0 para o Coritiba, na quarta-feira, foi o quarto jogo seguido do Palmeiras sem balançar a rede em cinco rodadas do Campeonato Brasileiro. Entre a goleada sobre o Vasco por 4 a 0, na estreia, e o revés no Couto Pereira, foram mais três gols sofridos e nenhum marcado. Por isso, a diretoria vai acelerar a tentativa de contratar um atacante.

Depois dos descartes de Sassá (recém-negociado com o Cruzeiro) e do chileno Ángelo Henríquez (atualmente no Dinamo Zagreb, da Croácia), dois nomes começam a ganhar força. Um deles é Joelinton, ex-atacante do Sport, que pertence ao Hoffenheim, da Alemanha, e está emprestado ao Rapid Wien, da Áustria. Outro é Richarlison, do Fluminense.

No entendimento da comissão técnica do Verdão, falta alguém que una as duas características. Que tenha força física para ser referência, mas que também tenha mobilidade e consiga jogar fora da área.

O perfil desejado é um brasileiro – o que facilitaria para uma rápida adaptação – que esteja apto a ser inscrito no mata-mata da Libertadores. As inscrições para a Copa do Brasil já estão encerradas – o Palmeiras pega o Cruzeiro nas quartas de final.

Para reforços vindos do exterior, a janela de registro abre somente em 20 de junho. Para jogadores da primeira divisão brasileira, a preocupação é quanto ao limite de seis jogos por outro clube.

Quatro jogos sem marcar no Brasileirão

Na maioria dessas partidas, a equipe teve um número considerável de oportunidades criadas. Foram 10 finalizações na derrota por 2 a 0 para o São Paulo, 15 no empate por 0 a 0 com o Atlético-MG… Contra o Coritiba, o time finalizou ao todo 12 vezes, sendo quatro delas em chances claras de gol.

– Nosso time teve mais oportunidades do que o dono da casa, mas não está concluindo e não está tendo eficiência para fazer o gol. Isso é fundamental no futebol. Quando tem duas ou três chances no começo do jogo e faz o gol, o jogo fica a teu caráter, com uma equipe leve e rápida. Quando não faz, automaticamente vai criando uma instabilidade – lamentou o técnico Cuca.

Na capital paranaense, quando Dudu e Borja foram desfalques, Keno e Willian formaram o ataque. No segundo tempo, Róger Guedes deixou o banco e também não conseguiu vazar o goleiro Wilson.

Neste momento, o elenco conta com cinco jogadores mais acostumados a atuar pelas beiradas (Willian, Keno, Dudu, Róger Guedes e Erik, sem contar o meia Michel Bastos) e um centroavante (Borja).