O jogador Borja, da SE Palmeiras, comemora seu gol contra a equipe do Red Bull Brasil, durante partida valida pela primeira rodada, do Campeonato Paulista, Série A1, no Estádio Moisés Lucarelli.

O Palmeiras contratou Borja em 2017 e pagou R$ 35 milhões. Foi a maior contratação da história do clube palestrino. Com primeiro e segundo ano importantes, Borja não consegue repetir bom desempenho. E não tem sido nem relacionado para as partidas, como foi o caso do duelo contra o Atlético Mineiro.

O caso deixa os rivais em alerte. Peres, presidente do Santos, falou ao programa Mesa Redonda que contratar o colombiano é sim uma opção.

“Depende só do Palmeiras. Não cheguei a conversar sobre esse assunto, mas a possibilidade sempre existe”, disse.

“É um jogador que a gente entende que o Palmeiras pagou muito caro por ele, e depende deles de querer emprestar para outro time de São Paulo. Os times não gostam de emprestar jogador para um time de São Paulo, do mesmo estado”, afirmou.

De fato. O Palmeiras não aceita negociar Borja com nenhum clube brasileiro. O clube entende que qualquer proposta que surgir do exterior, se for boa para os cofres, vale a conversa.

A negativa também vale para clubes que disputam a Copa Libertadores da América. Classificado em primeiro no ranking geral, o Alviverde não quer ter a “grata surpresa” de, de repente, encontrar Borja pelo caminho.