O jogador Borja, da SE Palmeiras, comemora seu gol contra a equipe do Fluminense FC, durante partida valida pela trigésima quarta rodada, do Campeonato Brasileiro, Série A, na Arena Allianz Parque.

O ciclo do colombiano Miguel Borja no Palmeiras pode estar no fim. Contratado em 2017 como grande estrela, não conseguiu desempenhar seu papel no clube e nem corresponder às expectativas.

Em entrevista ao programa Bola da Vez, da ESPN, o técnico Mano Menezes criticou o jogador e foi repreendido pelo empresário Juan Pablo Pachon.

LEIA MAIS:
Palmeiras viaja sem diversos titulares para enfrentar o Vasco
Siga nosso Instagram

Borja pode estar de saída

Indagado sobre Borja, Mano Menezes deu resposta bem direta sobre a carreira e o passado do atleta.

“O Borja, ao contrário do que pode parecer, não tinha uma trajetória tão grande antes de chegar ao Palmeiras. Ele chega ao Atlético Nacional, um time que já estava jogando muito bem com o Reinaldo Rueda. É contratado para as semifinais da Libertadores, faz gol em todos os jogos e é campeão e tratado como estrela. Os clubes passaram a desejá-lo, e isso o tornou uma estrela. Talvez não fosse”, afirmou.

Panchon ficou irritado e fez postagem rebatendo a fala de Menezes.

“Desejo muito sucesso pois entendo que o professor, apesar de 22 anos de carreira como técnico profissional, não tem ainda nenhum título de nível internacional, nem tampouco um Campeonato Brasileiro,“ cutucou.

Se não bastasse, Panchon completou a defesa de Borja por meio de nota. Leia na íntegra:

“Como representante de Miguel Angel Borja, que atualmente joga no Palmeiras, e devido a declarações no programa “Bola da Vez”, da ESPN Brasil, por parte do professor Mano Menezes sobre meu representado, eu me vejo obrigado a produzir um comunicado, pois as considero desrespeitosas e fora de lugar.
Em seus oito anos como profissional, Borja conseguiu títulos e premiações de nível nacional e internacional, como o Sul-Americano sub-20 de 2013, a Copa Sul-Americana de 2015, a Copa Libertadores de 2016 e em outras várias ocasiões foi goleador de campeonatos e copas.

Ao se referir à ida de Miguel para o Atlético Nacional, quero contar que não só foi campeão da Libertadores, mas também o artilheiro da Copa Sul-Americana de 2016, e assim foram 39 gols naquele ano, sendo cinco deles entre as semis e finais da Libertadores, um recorde que só tinha sido obtido pelo Rei Pelé.

Em 2017, chegou ao Palmeiras com o objetivo primordial de conseguir a tão desejada Copa Libertadores. Foi um ano de adaptação, seguramente não só para Borja, mas para todo o Palmeiras, pois a equipe teve três técnicos em seis meses, sendo eliminado nas oitavas de final e tendo Miguel como reserva.

Em 2018, quando teve um técnico (Roger Machado) que jogava um futebol para o ataque, que proponha o jogo e tinha como referência um atacante definidor e de área como é Miguel Borja, ele tornou-se o único jogador do elenco do Palmeiras a ser convocado à Copa do Mundo da Rússia, além de ser goleador do Paulista, tornando-se o primeiro artilheiro estrangeiro da história do torneio. Mais importante ainda, foi o goleador da Copa Libertadores com nove gols em 12 partidas e 805 minutos jogados.

Na Libertadores de 2019, o artilheiro Gabriel Barbosa, que é o grande jogador que se conhece, fez sete gols em 12 partidas e 921 minutos jogados. Apesar dos excelentes números e estatísticas, Miguel foi substituído na primeira semifinal (contra o Boca Juniors) e a equipe sofreu dois gols em 15 minutos. Na segunda semifinal, o Palmeiras foi eliminado com o artilheiro da Libertadores iniciando no banco.

O ano de 2019 seguramente tem sido um dos mais difíceis na carreira de Miguel, pois seu rendimento baixo em fevereiro custou a titularidade. Mas cabe lembrar também que depois de meses sem ser usado, Miguel voltou a ser titular nas duas partidas (contra o Godoy Cruz) e não só fez gols em cada um deles, como foi eleito também o jogador da partida. Desafortunadamente, na fase seguinte e diante dos olhos de todo continente, inexplicavelmente não foi usado novamente, e o Palmeiras foi eliminado com Miguel Borja no banco.

Espero que isto ajude ao professor Mano Menezes a conhecer mais a fundo o seu jogador e a ser mais preciso quando fizer declarações públicas.

Eu lhe desejo muito êxito, pois entendo que o professor, apesar de seus 22 anos de carreira como técnico profissional, ainda não tem nenhum título internacional, tampouco um Campeonato Brasileiro. Tomara que nesta passagem pelo Palmeiras tenha algum êxito nestes dois e leve o Palmeiras a seu tão sonhado título internacional.

Att : Juan Pablo Pachon”

Borja não deve permanecer no Palmeiras em 2020. Alguns clubes da China e da Europa já sondaram o estafe para entender valores.